in

Sony estaria cogitando remakes de The Last of Us e Uncharted para PS5

Continuidade de sucessos comerciais de grandes estúdios como a Naughty Dog, seriam prioridades da PlayStation.

Compartilhe

Os rumores de que a Sony teria uma equipe secreta que trabalharia em sequências de blockbusters de suas principais desenvolvedoras circulam há bastante tempo nos bastidores da indústria de games. No ano passado a criação de um projeto em San Diego, Califórnia, sob comando da suposta PlayStation Visual Arts ou Visual Arts Service Group, sugeriu o desenvolvimento de Uncharted 5.

Novas informações envolvendo novamente Michael Mumbauer, que liderou e foi diretor de artes visuais desses projetos, especulam que a vontade da companhia PlayStation, não era apenas dar continuidade a franquias de sucesso, mas também refazê-las.

De acordo com Jason Schreier via Bloomberg, os desenvolvedores estariam desconfortáveis com a situação, pois muitos queriam ter mais controle criativo e direção do jogo em vez de serem coadjuvantes em títulos populares.

A ideia inicial era expandir algumas das franquias de maior sucesso da empresa e uma equipe começou a trabalhar em um remake de The Last of Us (2013) para o PS5, mas parece que a Sony nunca reconheceu totalmente a existência da equipe ou deu a eles o financiamento e o suporte necessários para ter sucesso no mercado altamente competitivo de videogames, de acordo com as pessoas envolvidas, diz a publicação. O estúdio nunca teve seu próprio nome e a Sony acabou transferindo a propriedade do remake de The Last of Us para a Naughty Dog, sua criadora original.

Após um tempo, a liderança do pequeno grupo se desfez em grande parte. Muitos, incluindo Mumbauer, deixaram totalmente a empresa. Mumbauer se recusou a comentar e outros pediram para não ser identificados discutindo informações privadas. Um representante da Sony se recusou a comentar sobre o assunto.

A abordagem conservadora da Sony em fazer jogos para o PlayStation 5 teria priorizado jogos feitos por suas desenvolvedoras de maior sucesso comercial como a Naughty Dog, de Santa Monica, Califórnia, e a Guerrilla Games, de Amsterdã. O fechamento de estúdios menores no Japão significa que ela não deseja mais produzir jogos menores, que só tenham sucesso em um determinado local.

Essa fixação em equipes que produzem sucessos está criando inquietação no portfólio de estúdios de jogos da Sony, diz Schreier. A Sony Bend, sediada em Oregon , mais conhecida pelo jogo de ação de mundo aberto de 2019, Days Gone (gratuito no mês de abril para assinantes PS Plus), tentou lançar uma sequência naquele ano, mas embora o primeiro jogo tenha sido lucrativo, seu desenvolvimento foi longo e a recepção da crítica foi mista, então um Days Gone 2 não foi visto como uma opção viável.

Em vez disso, uma equipe do estúdio foi designada para ajudar a Naughty Dog com um jogo multiplayer, enquanto um segundo grupo foi designado para trabalhar em um novo jogo Uncharted com supervisão da Naughty Dog. Alguns funcionários, incluindo os principais líderes, não ficaram satisfeitos com esse acordo e foram embora. Os desenvolvedores do Bend temeram que pudessem ser absorvidos pela Naughty Dog, e a liderança do estúdio pediu para ser retirada do projeto Uncharted. Eles realizaram seu desejo no mês passado e agora estão trabalhando em um novo jogo. 

A equipe de Mumbauer planejou originalmente um remake do primeiro jogo Uncharted, lançado pela Naughty Dog em 2007. Essa ideia fracassou porque seria caro e exigiria muito trabalho de design adicional. Então a equipe decidiu fazer um remake de The Last of Us.

Na época, a Naughty Dog estava no meio do desenvolvimento de The Last of Us Part II, que apresentaria gráficos de alta fidelidade e novos recursos de jogabilidade. Se a equipe de Mumbauer refizesse o primeiro jogo para ter uma aparência semelhante, os dois jogos poderiam ser lançados juntos para o PlayStation 5. Em teoria, essa seria uma proposta menos cara do que refazer Uncharted, já que The Last of Us era mais moderno e não exigiria muitas revisões de jogo. Então, uma vez que o grupo de Mumbauer se estabelecesse, poderia continuar a refazer o primeiro jogo Uncharted e outros títulos no futuro.

O projeto de Mumbauer, de codinome T1X, foi aprovado em caráter experimental, mas a Sony manteve a existência da equipe em segredo e se recusou a dar-lhes um orçamento para contratar mais pessoas, levando muitos a se perguntarem se a empresa estava realmente comprometida em deixar a equipe construir um novo estúdio. Mesmo assim, a pequena equipe continuou trabalhando e, na primavera de 2019, eles concluíram uma seção do jogo projetada para mostrar como o resto seria.

Em novembro de 2019 a Sony passou por uma mudança de gestão, e Hermen Hulst, ex-chefe da Guerrilla Games, foi promovido a chefe da PlayStation’s Worldwide Studios. Ele achou o projeto de remake muito caro, de acordo com pessoas familiarizadas com o assunto, e perguntou por que o orçamento planejado para T1X era tão maior do que os remakes que a Sony fez no passado. O motivo era que este era um motor gráfico totalmente novo para o PlayStation 5. Mumbauer precisava contratar mais pessoas para ajudar a retrabalhar os gráficos em novas tecnologias, bem como redesenhar a mecânica de jogo. Hulst não estava convencido, disseram as fontes.

Quando esperavam entrar em produção no remake de The Last of Us, a equipe de Mumbauer foi chamada para ajudar quando outro grande jogo ficou para trás. O lançamento de The Last of Us Part II foi adiado para 2020 a partir de 2019 e a Naughty Dog precisava do Visual Arts Service Group para polir isso. A maior parte da equipe de Mumbauer, junto com alguns dos cerca de 200 outros funcionários, foi designada para apoiar a Naughty Dog, retardando o progresso do seu projeto.

Então, os papéis se inverteram. A Sony avisou que após a conclusão de The Last of Us Part II, algumas pessoas da Naughty Dog ajudariam com o T1X. A equipe de Mumbauer viu isso como sua curta autonomia sendo destruída. Dezenas de funcionários da Naughty Dog estavam se juntando ao projeto, e alguns realmente trabalharam no The Last of Us original, dando-lhes mais peso nas discussões sobre a direção do T1X. O jogo foi transferido para o orçamento da Naughty Dog, que a Sony deu mais margem de manobra do que o Visual Arts Service Group. Logo ficou claro que a Naughty Dog estava no comando, e a dinâmica voltou ao que tinha sido na última década e meia: o Visual Arts Support Group ajudando outra equipe de desenvolvedores em vez de liderar.

Para a Sony, a mudança fez sentido. A Naughty Dog é “um dos principais estúdios” da capacidade da Sony de vender PlayStations, disse o analista da Bloomberg Intelligence Matthew Kanterman. “A vantagem competitiva da Sony sempre foi conteúdo exclusivo sobre a Microsoft e mais jogos novos, bem como remakes de títulos clássicos de uma equipe tão histórica, podem ajudar a sustentar a demanda pelo PS5.”

Aqueles que queriam independência ficaram desapontados. No final de 2020, a maior parte da equipe de alto escalão da equipe T1X havia saído, incluindo Mumbauer e o diretor do jogo, David Hall. Hoje, o projeto T1X permanece em desenvolvimento na Naughty Dog com a assistência do Grupo de Suporte de Artes Visuais da Sony. O futuro do restante da equipe de Mumbauer, que passou a ser jocosamente chamado de Naughty Dog South, permanece incerto.

Em outras palavras, The Last of Us Remake está em stand by, não dá pra saber se o projeto avançará, já que a prioridade da desenvolvedora, inclusive citado na matéria, é a sequência do multiplayer da franquia. Há rumores também de uma DLC para a segunda parte e até uma nova IP, supostos vazamentos ironizados por Druckmann.


Compartilhe