in

“Parece o mundo em que você e eu vivemos hoje” diz casal de idosos que aprendeu a jogar The Last of Us 2

Embora tenham sido orientados a procurar um jogo “mais apropriado” e seus amigos façam viagens ou cruzeiros caros, Karen e Bruce dizem que o jogo oferece um “nível diferente” de empolgação para eles.

Kotaku

O casal de idosos, Karen Klein, de 79 anos, e seu marido Bruce, com 81, começaram a se interessar por videogames no início de 2021, como uma forma de fazê-los “andar” sem sair de casa, pois Bruce tem algumas limitações físicas, e em uma visita a Las Vegas decidiram colocar um anúncio no Craigslist em busca de alguém que pudesse ensiná-los a jogar The Last of Us Part II.

Em entrevista para o Kotaku publicada hoje (4), Karen disse que decidiu comprar um PlayStation 4 Pro “mais poderoso (e mais caro)”, embora não “distingue um [console] do outro” e começaram a ler análises de jogos. O que chamou atenção do casal foram muitos elogios sobre The Last of Us 2, e que “não era um desenho animado, como alguns outros jogos que o casal havia verificado antes”.

Após usar as amplas opções de acessibilidade oferecidas pelo jogo, o casal lutou para progredir. “Eles gostaram do realismo, mas também tornou-se difícil quando a jogabilidade começou e as cenas terminaram durante o ato de abertura”.

“Não tínhamos ideia do que você deveria fazer e [estávamos] procurando os pequenos círculos com o triângulo nele”, disse Bruce, comentando sobre como eles lutaram para encontrar a jaqueta de Ellie no início do jogo. “[Ellie] ficou naquele quarto por um dia e meio. Ainda não temos a mentalidade de como encontrar uma saída para uma situação e acho que os jogadores aprendem isso ou talvez seja fácil quando você é mais jovem fazer isso”.

Foi então que Karen redigiu um anúncio na esperança de que alguém pudesse ajudá-los. “O casal recebeu algumas respostas que, embora amáveis, apenas sugeriam que eles começassem jogando jogos que eram ‘mais apropriados para iniciantes’. Mas não era isso que procuravam”.

A vontade do casal em aprender sem medo de pedir ajuda roubou o coração de todos, e embora alguns duvidassem do anúncio, Jesse, de 21 anos, que atende por WeekendFeel no Reddit, foi a pessoa escolhida como tutor. Depois de confirmar que estava vacinado, Jesse começou a ensinar Bruce e Karen “duas vezes por semana com sessões presenciais que duravam cerca de duas a quatro horas”. “Ele ainda não enlouqueceu, então ainda estamos fazendo isso”, brincou Bruce.

Mesmo tendo estado em combate como militar por 22 anos, Bruce disse que achou The Last of Us 2 muito violento e que se surpreemdeu quando Joel foi morto por Abby com um taco de golfe. “Parece que, dada a condição do mundo, esses caras estariam muito melhor trabalhando juntos e se conhecendo. Parece o mundo em que você e eu vivemos hoje ”, disse ele.

Embora o casal tenha progredido desde sua primeira sessão de tutoria, Jesse disse que eles não estavam no nível em que ele acha que se sentiriam confortáveis ​​jogando o game da Naughty Dog sozinhos. “O progresso deles aumentou e diminuiu, mas tem aumentado constantemente”, disse. Para ajudar o casal a ganhar mais consciência de jogabilidade, Jesse utilizou os recursos de acessibilidade do jogo, como enjôo e opções de navegação, para ajudar a treinar Bruce e Karen sobre consciência espacial em videogames. “Os recursos de acessibilidade são uma grande dádiva de Deus para The Last of Us 2 e estou chocado que nem todos os jogos tenham essas opções agora”, comentou Bruce.

Após consegguir um outro emprego e ter ficado sem tempo para ajudá-los, Jesse se comprometeu a encontrar um tutor substituto para que eles não ficassem o esperando para jogar, apresentando-os a tutoriais do YouTube. “Bruce os estudou todos os dias, com a intenção de replicar os cenários de combate que assistia no YouTube”.

“Gosto de assistir a esses percursos e provavelmente já vi cerca de 50 deles até agora”, disse Bruce. “Estou vendo todos os tipos de mortes furtivas que Ellie faz, e penso na minha cabeça, ‘Uau, o cara que está jogando é realmente talentoso para fazer o jogo parecer um vídeo real.’ É tão bom, a forma como está sendo tocado e estou muito impressionado. Isso só me faz querer aprender mais.”

“Eu costumava ser muito ativa”, disse Karen. “Ele era atlético. Eu era atlética. Dançamos muito. Nossas vidas se tornaram mais sedentárias, mas isso coloca a emoção [de volta] nelas.” Embora seus amigos façam viagens ou cruzeiros caros, Karen disse que o jogo oferece um “nível diferente” de empolgação para eles.

Antes de iniciar sua jornada, Bruce e Karen pensavam que os jogadores eram apenas crianças que não queriam nada na vida além de sentar e jogar. Mas que depois o estereótipo que eles conheciam começou a se dissipar.

“Eu me considero um cara muito inteligente e se eu conseguir sair da sala [em The Last of Us Parte 2] e todos esses jogadores estiverem quilômetros à minha frente, estou impressionado”, disse Bruce. “Quero continuar trabalhando e talvez um dia poder competir na internet”, revelou ele ao Kotaku . “O objetivo para ele não é apenas ir além do constrangimento: ele quer ser genuinamente bom em alguma coisa e ‘ficar à altura’ de outros jogadores”.





Qries

APOIE: catarse.me/projetosurvivor