in

CEO da PlayStation elogia Druckmann “abordou com sucesso tópicos que nunca foram abordados”

Ontem Neil Druckmann compartilhou um tweet hostil das dezenas de mensagens que recebe no microblog e em suas demais redes sociais, que logo foi apagado pelo remetente. Entre ameaças e desejos de morte vindo de algumas pessoas insatisfeitas com a história que escreveu para The Last of Us Part II junto com Halley Gross, o diretor e vice-presidente da Naughty Dog em alguns casos tem levado de maneira bem-humorada tais situações.

Em entrevista para a GQ Magazine, o chefe da PlayStation, Jim Ryan, falou sobre o que espera do futuro para o PS5 – novo console da Sony, e dos jogos que proporcionam experiências desafiadoras e inovadoras.

Questionado sobre os ataques de ódio que Druckmann, o elenco do jogo e a Naughty Dog sofrem, ele disse ser como ele e não se abalar, elogiando como o dog conduziu a história do game.

“Eu conheci Neil no ano passado e o parabenizei por sua arte e sua narrativa. Neil é um grande garoto, assim como eu, e não acho que nenhum de nós dois permitiria ser indevidamente incomodado por essas coisas.”

“Neil sabe que faz uma grande arte. Ele sabe que abordou com sucesso tópicos que nunca foram abordados de uma maneira madura em nenhum videogame. Acho que é uma coisa notável e estou muito orgulhoso de que a PlayStation seja a plataforma em que isso aconteceu. O resto da toxicidade você apenas pega o ritmo e segue em frente.”

Ao lado de Craig Mazin (Chernobyl), Neil Druckmann produzirá e escreverá a série de The Last of Us na HBO, ainda sem data de estreia.

Falando sobre o PlayStation 5, Ryan acredita que a geração dure cerca de sete anos e que a publisher continuará planejando estrategicamente junto aos desenvolvedores, trazer a vida jogos AAA que forneçam diferentes experiências.